Pesquisar no blog

sábado, 18 de agosto de 2012

Mergulhadores


A pedido dos tios do brasileiro desaparecido há dez dias no mar da Nova Zelândia, o estudante cearense João Felipe Melo, de 17 anos, as autoridades de segurança neozelandesas iniciaram hoje buscas por mergulhadores. Com remotas chances de encontrá-lo vivo, os tios de João Felipe esperam pelo menos que os mergulhadores achem o corpo do estudante.
José Martins e Cláudio Melo estão na Nova Zelândia desde o primeiro dia do desaparecimento de João Felipe. "Apelamos para Polícia que não abonasse as buscas pelo nosso sobrinho nem pelo outro estudante da Nova Zelândia e pelo instrutor, pois o que até agora encontraram foi apenas a mochila do estudante neozelandês", disse José Martins. 
Os tios ainda têm um fio de esperança de encontrar o sobrinho vivo. "Estamos nesta expectativa, mas enquanto não obtivermos êxito o nosso coração vai ficar com um grande dor", afirmou José Martins.
São cinco mergulhadores que começaram neste sábado as buscas na costa de New Plymouth, onde os estudantes e o instrutor desapareceram após caírem de um penhasco no parque Paritutu, no dia oito de agosto último. As autoridades policiais da Nova Zelândia disseram que só agora apelaram para os mergulhadores, pois antes o mar estava muito revolto. A Polícia trabalha com a possibilidade dos três terem se afogado e que as chances de encontrá-los vivos são bastantes remotas.
A busca costeira foi reduzida e hoje somente voluntários percorreram a costa atrás dos desaparecidos. As autoridades neozelandesas informaram que era precisa dar uma pausa nas buscas costeiras, pois o tempo previsto para os corpos aparecerem foi superado há três dias e que as famílias dos desaparecidos foram informadas dessa possibilidade de diminuir as buscas por terra. A busca em uma caverna sob Paritutu, por nadadores de resgate, na sexta-feira não conseguiu encontrar qualquer vestígio dos desaparecidos, relata a Polícia da Nova Zelândia.
João Felipe fazia intercâmbio cultural na Nona Zelândia e tinha passagem de volta marcada para o Brasil para o próximo mês de outubro.

Patrulheiros


A Federação Nacional dos Policiais Rodoviários Federais vai recorrer da decisão da Justiça de proibir a realização de Operação Padrão durante a greve da categoria sob pena de multa de R$ 200 mil por dia. O presidente da Federação, Pedro Cavalcanti, disse hoje, em Fortaleza, que a entidade vai apresentar recurso já na próxima segunda-feira (20), quando começa a greve da categoria.
"Não podemos ser tolhidos de realizar uma fiscalização mais criteriosa", disse Pedro Cavalcanti para 48 representantes dos sindicatos de policiais rodoviários federais reunidos neste final de semana em Fortaleza.
A Operação Padrão é uma forma que os policiais rodoviários federais encontraram para cobrar reajuste salarial e melhores condições de trabalho. Através da Operação Padrão, os policiais fazem uma fiscalização mais rigorosa nas BRs que cortam o Brasil. Isso tem gerado congestionamentos.
Outra deliberação da categoria tomada em Fortaleza foi a decretação de uma greve por tempo indeterminado já a partir da próxima segunda-feira. "Começamos a greve conforme cada Sindicato Estadual cumpra os procedimentos legais junto as superintendências regionais do Trabalho e ela deve começar em alguns Estados já na segunda-feira", alertou Cavalcanti. Os policiais rodoviários pedem reajuste salarial de até 139%.

Meta são os 30 pontos

O Ceará soma após a vitória de hoje de 3 a 1 sobre o Bragantino (SP), 27 pontos na Segundona do Brasileirão 2012. Pode chegar aos 30 no encerramento dos jogos de ida, na próxima sexta-feira, às 21 horas, no novo Estádio Presidente Vargas, contra o líder Vitória (BA), que 41 pontos. O treinador Paulo César Gusmão reclamou com razão de Itamar e de Mota por chances de gols perdidas na vitória de hoje em Bragança. O Ceará em 18 partidas ganhou sete, empatou seis e perdeu cinco. Está com saldo de quatro gols. O ataque marcou 30 gols e a defesa levou 26.

Bruxismo


Qual pai ou mãe não fica agoniado ao ver o filho ranger os dentes enquanto dorme? Estudos apontam que - três em cada dez crianças até 12 anos - apresentam distúrbios do sono. E entre os problemas mais comuns está o bruxismo – também conhecido como briquismo.

O hábito de apertar ou ranger os dentes inconscientemente tem aumentado entre as crianças, afirmam os médicos. Crianças de 3 a 6 anos costumam apresentar o bruxismo, o que por vezes assusta e preocupa os pais. “Antes eram os profissionais que, numa consulta por outro motivo, notavam que a criança estava rangendo os dentes. Agora é a família que percebe o problema e procura ajuda”, conta a psicóloga especialista em medicina do sono, Kárdia Lacerda.

O problema que acontece tanto de dia quanto de noite traz um forte desgaste dentário e em alguns casos, causa muita dor como consequência da contração muscular anormal. Além disso, o ranger de dentes pode criar problemas em nível da ATM (Articulação Temporo Mandibular) e provocar situações como enxaquecas, problemas de ouvidos, stress, ansiedade, depressão, etc.

As causas do bruxismo são multifatoriais e ainda pouco conhecidas. Fatores sistêmicos também ocasionam o bruxismo, como asma, rinites, alergias respiratórias e dormir de boca aberta. Em relação às crianças, segundo a psicóloga, o bruxismo ainda é pouco explorado. Ela explica que alguns estudiosos acreditam que o problema seja apenas um fator mecânico. Ou seja, como a criança tem a fase de troca dos dentes, e alguns ficam em tamanhos diferentes, a mandíbula do queixo, que é móvel, procura um ponto de equilíbrio durante essa instabilidade, daí o surgimento do hábito. Mas a experiência e pesquisas recentes mostram outro lado importante: o fator emocional.

Pesquisas revelam que crianças bruxômanas tem alguma das seguintes características: ansiedade; hiperatividade; alergias respiratórias. Em grande parte dos casos, o bruxismo infantil está relacionado com alguma alteração de rotina da criança. Isso pode aparecer em épocas de provas, competições escolares ou em períodos de dificuldade de aprendizagem, situações comumente associados a uma cobrança, seja dos pais, da escola ou mesmo uma auto-cobrança.

“Hoje em dia, com as crianças realizando cada vez mais atividades extra-escolares, não é difícil desenvolver uma cobrança interna ou externa, mesmo que quase inconscientemente. Crianças hiperativas também são vítimas frequentes do bruxismo. Por isso, é de extrema importância o olhar atento por parte dos pais e/ou cuidadores a qualquer tipo de alteração comportamental”, afirma a psicóloga.

Alguns fatores externos também podem agravar o problema, como dormir de luz acesa, com a TV ligada ou ficar muitas horas no computador antes de deitar. “Esses estímulos sonoros e luminosos interferem no ciclo do sono, mesmo que a criança não acorde, e podem ser um gatilho para o bruxismo”, diz a especialista. Por isso, um ambiente tranquilo para o descanso ajuda no bem-estar da criança.

Em relação ao tratamento não há uma única fórmula. Por ter causas multifatoriais – o tratamento deve ser individualizado para cada paciente. O Centro de Estudos do Sono (CESF) conta com uma equipe multidisciplinar qualificada e com os equipamentos necessários para os exames. Dentre eles: a polissonografia – exame capaz de emitir um diagnóstico preciso.



Serviço:
CESF – Centro de Estudos do Sono de Fortaleza
End.: Rua Carolina Sucupira, 1151. 2º andar - Aldeota.
Tel.: 3261.1887

Rádio Justiça

Fatboy

Queimados


Fabricante dos tênis Fila e Tryon, a Dass Calçados, unidade de Itapipoca, a 157 quilômetros de Fortaleza, teve um grande prejuízo ontem.  Um incêndio no galpão de estocagem da fábrica queimou mais de 400 mil pares de tênis, milhares de pares de meias e palmilhas.
O incêndio começou por volta das sete horas da manhã só foi controlado pelos Bombeiros ao meio-dia. Os bombeiros de Fortaleza tiveram dificuldades de chegar a Itapipoca, que não tem destacamento, devido as péssimas condições das estradas de acesso a cidade do Interior cearense. A direção da Dass ainda não divulgou o montante do prejuízo causado. A unidade suspendeu seu funcionamento até a próxima segunda-feira (20). Nenhum dos 2 mil funcionários da fábrica que funciona há 16 anos saiu ferido no sinistro. As causas do incêndio estão sendo investigadas.
Equipes do Corpo de Bombeiros fazem durante esta noite a operação rescaldo. Segundo o chefe da operação. coronel Sérgio Gomes, apesar do incêndio já ter sido controlado, é preciso "fazer o rescaldo, uma vez que às vezes o fogo de cima pode ter sido apagado, mas pode surgir fogo por baixo. Por isso estamos removendo paredes e puxando todo material queimado para localizar algum foco de fogo".

Juliana e Larissa

Copa Coca Cola


"O jeito alegre e com um sorriso no rosto de jogar futebol é característica marcante dos brasileiros e tem animado os jogos da Copa Coca-Cola, que está acontecendo em Fortaleza durante todo o mês de agosto. Duas etapas de jogos entre os times competidores já foram realizadas e, neste final de semana (dias 18 e 19 de agosto), o bairro Bom Jardim recebe, no campo Valdemar Caracas, novos times que competem uma vaga na final do campeonato. Os jogos acontecem durante todo o dia, das 8 às 17 horas, e atividades interativas também são realizadas durante os intervalos. Em Fortaleza, são 36 times competidores, dentre eles 32 masculinos e 4 femininos.

A Coca-Cola quer engajar os jovens também fora de campo. Alavancando a manifestação cultural que vem surgindo nas ruas do Rio de Janeiro e de São Paulo, o passinho de dança é uma das formas de comemoração que melhor expressam sua cultura e reforçam o convite à vida ativa. Para isso, está sendo feita na página da internet um campeonato de passinhos de comemoração de gols, é o desafio da “Comemoração Moleque”. Todos podem gravar vídeos de suas comemorações e enviar para o site, juntando pontos no ranking de atividades de torcidas, podendo levá-los diretamente para a etapa preliminar nacional do torneio. A jogadora Marta, da seleção brasileira feminina de futebol é a madrinha da campanha e os que quiserem competir podem aprender mais pelo link: http://youtu.be/zsFt_Fx2uS4

A Copa Coca-Cola
Promovida pela Coca-Cola em mais de 20 países, a Copa Coca-Cola vai além do aspecto esportivo, propondo uma celebração das comunidades e da vida ativa. Para participar, é obrigatório o jovem estar matriculado na escola. É um convite a uma vida mais ativa, de modo a conscientizar a população a entender os benefícios deste estilo de vida, aliando isto a momentos de diversão e melhora de qualidade de vida. 

A segunda edição nacional da Copa Coca-Cola, que teve seu início no dia 4 de agosto de 2012, e será dividida em duas etapas: Local e Nacional. Na categoria masculina, as equipes se enfrentam em 29 cidades de 17 estados brasileiros durante a etapa Local, classificando 32 equipes para a Etapa Preliminar Nacional, que reunirá os atletas campeões locais de todo o Brasil. Após esta etapa, restarão oito para a Etapa Final Nacional, que definirá o campeão em jogos eliminatórios. Já a categoria Feminina será realizada em 13 cidades. No total, 16 equipes femininas irão para a Etapa Preliminar Nacional, restando quatro equipes para a Etapa Final Nacional. 

Os jogos serão disputados em dois tempos de 25 minutos. As equipes deverão ser formadas livremente pelos participantes, tendo no máximo 18 atletas, além da comissão técnica formada por um representante e um vice-representante, um técnico e um capitão de torcida. 

Premiação - Alinhada com a proposta de estimular a vida ativa e incentivar o esporte, a Copa Coca-Cola vai levar atletas para atuarem como gandulas na Copa das Confederações da FIFA Brasil 2013. Nesta segunda edição do torneio, a marca destaca o slogan “Futebol Moleque do Brasil”, que tem na jogadora da seleção brasileira e madrinha do torneio – Marta - uma referência.r Patrocinadora oficial do torneio, a adidas forneceu material esportivo para o torneio. Foram uniformes e bolas oficiais, reiterando a Copa Coca-Cola como um evento de parâmetro internacional.

• Copa Coca-Cola em Fortaleza

Os jogos sempre acontecerão no horário de 8 às 17 horas – com intervalo de 11h30 às 13h30.
Próximos jogos: 18 e 19 de agosto – campo Valdemar Caracas (bairro Bom Jardim)



Capuchino Press – Assessoria de Imprensa
Renata Benevides - (85) 8130.3264 - renata@capuchino.com.br
Karla Rodrigues - (85) 81303177 – karla@capuchino.com.br
Juliana Lousada – (85) 8765.5727 – atendimento@capuchino.com.br

Executivos de Futebol


Na próxima segunda-feira (20) acontece o III Encontro da ABEX Futebol (Associação Brasileira dos Executivos de Futebol) de 2012, que será realizado no Castro’s Park Hotel, em Goiânia . O gerente operacional da Federação Cearense de Futebol Fred Gomes participa do evento que reúne os maiores executivos do país.
O Encontro começa às nove da manhã com a palestra do presidente do Sindicato do Futebol (Sindicato das Associações Profissionais e suas Entidades de Administração e Liga), Mustafá Contursi, que vai falar sobre a área de atuação dos dirigentes e dos executivos de futebol. O evento contará também com a presença do assessor de imprensa Olivério Braga Júnior.
O gerente operacional da FCF Fred Gomes fala da experiência adquirida nos Encontros. “A possibilidade de obter novos conhecimentos, trocar informações e principalmente, estreitar laços de amizades no meio futebolístico, me deixa cada vez mais firme no propósito da melhoria profissional. O futebol nacional, em especial o cearense, tem que crescer cada vez mais. O meu objetivo é participar desse crescimento”, disse.

Informações à imprensa:
Manuella Viana

A arte matemática

Doutora

sexta-feira, 17 de agosto de 2012

Homenagem


Ministro Cesar Asfor é um dos homenageados - Foto: Divulgação/STJ
(www.cmfor.ce.gov.br) - Os ministros do Superior Tribunal de Justiça César Asfor Rocha e Benedito Gonçalves tem sua trajetória profissional reconhecida pela Câmara Municipal de Fortaleza. O fortalezense César Asfor recebe das mãos do vereador Salmito Filho (PSB), a Medalha Boticário Ferreira e o carioca Benedito Gonçalves é consagrado cidadão de Fortaleza, por sugestão do vereador Paulo Gomes (PMDB). A solenidade acontece no plenário Fausto Arruda nesta sexta-feira, 17, às 15h.
Bacharel em Ciências Jurídicas e Sociais pela Faculdade de Direito da Universidade Federal do Ceará, César Asfor Rocha foi nomeado ministro do STJ em maio de 1992, sendo atualmente presidente da Comissão de Jurisprudência e da Comissão Conjunta de Poderes Judiciários Europeus e Latino-Americanos, além de diretor-geral da Escola Nacional de Formação e Aperfeiçoamento de Magistrados. Ao longo da sua carreira ocupou vários cargos, dentre eles, presidente do STJ e do Conselho Nacional de Justiça, no período de 2008 à 2010 e procurador Geral do Município de Fortaleza.
Benedito Gonçalves, formado em Direito pela Universidade do Rio de Janeiro, atua como ministro desde 2008. Natural do Rio de Janeiro, o magistrado ocupou os cargos de desembargador do Tribunal Regional Federal da 2ª Região, diretor-geral da Escola da Magistratura Federal e coordenador Regional dos Juizados Especiais Federais. Sua trajetória é marcada por várias homenagens, como a outorga da Medalha Miranda Lima, concedida pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB); a Medalha Ordem do Mérito Militar, grau Grande Oficial; e a Medalha do Pacificador - Duque de Caxias, conferida pelo Exército Brasileiro.

quarta-feira, 15 de agosto de 2012

Defensorias Públicas


(Assessoria de Imprensa) - A abertura do V Congresso Interamericano das Defensorias Públicas será realizada nesta quarta, dia 15 de agosto, às 18h30, no Theatro José de Alencar, em Fortaleza. O evento contará com as presenças do coordenador geral da AIDEF e anfitrião, André Castro, da Secretária de Justiça do Ceará, Mariana Lobo, do Secretário de Reforma do Judiciário, Flávio Caetano, do presidente da Comissão Interamericana de Direitos Humanos, Jesús Orozco, do diretor de Assuntos Legislativos da OEA, Dante Negro, entre outras autoridades. O evento tem como tema “A Atuação dos Defensores Públicos na Efetivação dos Direitos Humanos da América” e pretende debater sobre os impactos que esses profissionais têm na garantia do acesso à Justiça e no cotidiano das pessoas. Os principais temas levados ao evento têm relevância direta no cotidiano da população como: segurança pública, condições carcerárias e proteção da infância e garantias individuais de direitos humanos.
A solenidade de abertura será especial com enfoque nos direitos humanos e as apresentações culturais tem a inclusão social como diretriz. A apresentação do coral Vozes da Liberdade, formado por 40 apenados da Secretaria da Justiça e Cidadania do Estado do Ceará, juntamente com a Orquestra Sinfônica da UECE, que trabalha com músicos de diferentes camadas sociais, apostam no ensino e na difusão das artes como mecanismo de cidadania. Ainda durante a noite, o Maracatu Solar e um trio pé de serra mostram as raízes do Ceará para 800 defensores públicos presentes na capital Fortaleza.
 
Durante os dias 15, 16 e 17 de agosto, os defensores públicos de 13 países americanos para o V Congresso da Associação Interamericana de Defensorias Públicas (AIDEF), na Fábrica de Negócios (anexo do Hotel Praia Centro). Na ocasião, 20 expositores brasileiros e estrangeiros, entre palestrantes, painelistas e debatedores, especialistas renomados internacionalmente, promoverão um debate aprofundado sobre os mecanismos para a efetivação dos Direitos Humanos em um continente ainda tão marcado por graves desigualdades sociais e sistemáticas violações aos direitos fundamentais.
 
A programação contará com a presença de especialistas internacionais em Direitos Humanos. Dentre eles, o presidente da Comissão Interamericana de Direitos Humanos, José Jesús Orozco, e o Secretário-Geral da Corte Interamericana de Direitos Humanos, Pablo Saavedra. A esses órgãos podem ser atribuídas mudanças concretas em vários países da região, inclusive no Brasil. A política nacional de erradicação do trabalho escravo, a legislação de prevenção e sanção da violência contra as mulheres, conhecida por Lei Maria da Penha, e a mudança do modelo assistencial em saúde mental são exemplos emblemáticos de políticas públicas que têm inspiração em acordos e decisões geradas no âmbito do sistema interamericano.
 
Durante três dias, a programação científica do Congresso contemplará oito painéis e uma conferência de encerramento com o ministro da Corte Suprema de Justiça da Argentina, Raul Eugênio Zaffaroni, agraciado com o prêmio Estocolmo de Criminologia 2009, equivalente ao Nobel da Área Jurídica.
 
No dia 16 de agosto, o painel central abordará a atuação das Defensorias Públicas na América, e promoverá um panorama sobre o funcionamento da Instituição nos seguintes países: Argentina, Brasil, Chile, Colombia, Costa Rica, Equador, Guatemala, Honduras, Nicaragua, Panamá, Paraguai, Rep. Dominicana, Uruguai e Venezuela.  No turno da tarde, serão realizados três painéis simultaneamente.
 
O painel A discutirá a política criminal e penitenciária com a exposição do professor de Direito da Fundação Getúlio Vargas, Pedro Abramovay, da representante da Open Society, Dorina Zoon, e do defensor público e vice-presidente do Conselho Nacional de Políticas Criminais e Penitenciária, Vitore Maximiano e da Secretária da Justiça e Cidadania do Ceará, Mariana Lobo.
 
Já o painel B tratará dos direitos da criança e do adolescente com a palestra do consultor do Instituto Interamericano de Direitos Humanos da Costa Rica e da UNICEF, Emílio García Mendez. Para debater o assunto, foram convidados a presidente da Associação Brasileira de Magistrados, Promotores de Justiça e Defensores Públicos da Infância e Juventude, Helia Barbosa, a defensora geral do Paraguai, Noyme Yore Ismael, e a defensora da Costa Rica com atuação na unidade penal-juvenil, Roxana Guzmán.
 
A Defensoria Pública e a Sociedade Civil Organizada será o assunto do painel C, que vai ser apresentado pelo Defensor Geral da Colômbia, Alfonzo Chamie Mazzilli, pela presidente do Colégio de Ouvidores das Defensorias Públicas, Luciana Zaffalon, e pelo articulador da Rede Nacional de Advogadas e Advogados Populares, Rodrigo de Medeiros Silva.  Encerrando, o dia 16, o segundo painel central debaterá a atuação perante o Sistema Interamericano de Direitos Humanos, com a participação do presidente da Comissão Interamericana de Direitos Humanos, José de Jesús Orozco Henríquez, da defensora pública interamericana pela Argentina, Maria Fernanda Puleio, e do defensor público interamericano pelo Brasil e vice-presidente da ANADEP, Antônio Maffezoli.
 
No dia 17 de agosto, o painel central 3 terá como tema o panorama internacional da assistência jurídica, que será apresentado pelo vice-presidente do Subcomitê Internacional para Prevenção à Tortura da ONU, Mario Coriolano, e pelo defensor público do Rio de Janeiro e Doutor em Direito, Cleber Alves. Em seguida, no painel central 4, será discutido o Sistema Interamericano de Direitos Humanos: História e Desafios, com a exposição do secretário-geral da Corte Interamericana de Direitos Humanos, Pablo Saavedra, e da Defensora Geral da Argentina, Stella Maris Martínez. O quinto e último painel central tratará do tema: direitos humanos, transparência e participação. Os palestrantes serão o diretor do Departamento de Direito Internacional da OEA, Dante Negro, e o diretor do Centro de Direitos Humanos da Faculdade de Direito da Universidade do Chile, Claudio Nash.
 
Também farão parte da programação: a posse do novo Comitê Executivo da AIDEF, a entrega do Colar do Mérito da ANADEP, a definição do tema da próxima Campanha Nacional das Associações e das Defensorias Públicas de todo o Brasil, bem como o lançamento dos livros “Execução Penal: Novos Rumos, Novos Paradigmas”, dos defensores públicos do Pará Arthur Corrêa da Silva Neto e José Adaumir Arruda da Silva e “Redesenhando a execução penal 2: por um discurso emancipatório democrático”, com a coordenação dos defensores públicos da Bahia Daniel Nicory do Prado e Rafson Saraiva Ximenes.
 
Saiba mais sobre a AIDEF: Essa é a segunda vez que o evento ocorre no Brasil. A primeira marcou a fundação da AIDEF, em outubro de 2003, na cidade do Rio de Janeiro. Na ocasião, a Entidade foi criada como organização de caráter civil, acadêmica e científica para promover o fortalecimento institucional das Defensorias Públicas dos Estados Associados, estabelecendo uma coordenação interinstitucional em benefício dos direitos humanos e da defesa jurídica eficiente e de qualidade em favor das pessoas carentes.
 
Desde então, a AIDEF tem liderado importantes conquistas, como o convênio com a Corte Interamericana de Direitos Humanos prevendo a atuação dos Defensores Públicos Interamericanos, a atuação na difusão das 100 Regras de Brasília sobre Acesso à Justiça para as pessoas em condições de vulnerabilidade e a aprovação, em Assembleias Gerais da OEA, de duas resoluções sobre e necessidade de implantação da Defensoria Pública em todos os países do continente, com autonomia e independência funcional.
 
Para a AIDEF, o fortalecimento da Defensoria Pública e a garantia de que seus serviços possam ser utilizados por todos os cidadãos que deles necessitem é, sem dúvidas, um dos importantes caminhos a ser seguido na efetivação dos Direitos Humanos.
 
Fazem parte da Associação Interamericana de Defensorias Públicas representantes dos seguintes países da América e do Caribe: Antigua e Barbuda, Argentina, Bahamas, Bolívia, Brasil, Colômbia, Costa Rica, Chile, Equador, El Salvador, Estados Unidos, Guatemala, Honduras, Jamaica, México, Nicarágua, Paraguai, Panamá, Peru, Porto Rico, República Dominicana, Trinidad e Tobago, Uruguai e Venezuela.
 
Transmissão ao vivo
 
Confira a programação completa do evento em www.aidef.org.br/congresso. A partir de amanhã, 16 de agosto, as atividades serão transmitidas ao vivo, pela internet, no site da ANADEP (www.anadep.org.br) e da AIDEF (www.aidef.org).

Morre Altamiro


O Estado de S.Paulo
O flautista Altamiro Carrilho tinha 87 anos - Reprodução
Reprodução
O flautista Altamiro Carrilho tinha 87 anos
O flautista Altamiro Carrilho morreu hoje de manhã no Rio, aos 87 anos. Ele tinha câncer e havia passado 17 dias hospitalizado mês passado. Essa semana voltou a passar mal e foi internado mais uma vez.

Vida e obra. Benedito Lacerda já era grande quando ligou na rádio Tamoio para ouvir seus choros de todos os dias. Flautista sem concorrência por aqueles anos 1940 e 1950 do Rio de Janeiro, ouviu alguém tocando um tema muito parecido com o que ele fazia. Sem se lembrar de quando havia gravado aquilo, chamou a mulher para tirar as dúvidas. "Ôndina, quando foi mesmo que eu gravei esta música que está tocando aí no rádio?" A mulher não se enganou. Quem estava tocando não era o marido, mas um garoto chamado Altamiro alguma coisa. "Vocês acabaram de ouvir a flauta de Altamiro Carrilho", disse o locutor no final. Benedito não se conteve. Vestiu as roupas e seguiu às pressas para a Rádio Tamoio a fim de conhecer aquele menino prodígio.

Altamiro Aquino Carrilho deixou muita gente de queixo caído desde que deixou Santo Antônio de Pádua, sua terra natal, e saiu pelo mundo com uma flauta transversal e uma infalível escolha de repertório. Muito antes de ser chamado pelo prestigiado flautista francês Jean Pierre Rampal como "o melhor do mundo", Altamiro precisou justificar cada nota que tocava, a começar pelos pais. Filho de família musical desde os tataravôs, passando por bisavôs, tios e primos, Altamiro teve algo parecido com uma flauta aos 5 anos de idade, quando Papai Noel lhe deu uma peça de lata com furos que lembrava um instrumento de sopro. Organizando as notas com sentido rítmico e melódico, o menino começou a fazer o pai perceber que daquele mato saía cachorro.

Aos 9 anos, Altamiro foi admitido para tocar caixa em uma fanfarra ao mesmo tempo em que se tornava um exímio construtor de flautas. Sua técnica consistia em serrar perto do ombro do bambu e furá-lo com ferro quente. A cada buraco que fazia, tocava para testar os sons. A cada teste, treinava os ouvidos e a embocadura. Até que um carteiro passou por sua casa e ouviu o som. "Quem está tocando?", perguntou para sua mãe. "É a flautinha de bambu do meu filho", respondeu Dona Carrilho. Altamiro saiu na porta e provou, aos 11 anos, que a mãe não estava brincando.

O carteiro, que também era apaixonado por flautas, ficou besta e decidiu dar aulas de graça para o garoto, emprestando sua própria flauta e ensinando teoria musical. Em pouco tempo, tudo o que era choro já saía daquele instrumento. Para comprar uma flauta de verdade, foi trabalhar com o tio em uma farmácia até juntar o dinheiro que precisava. De degrau em degrau, venceu o primeiro prêmio no programa de rádio Calouros em Desfile, de Ary Barroso, e começou a fazer seu nome. Forte nos improvisos, vigoroso no choro, Altamiro começou a gravar com quem lhe batesse à porta. E eles foram muitos. Seu primeiro disco solo veio em 1949, chamado Flauteando na Chacrinha. 

Quando veio 1951, o mesmo Benedito Lacerda que o escultou na rádio de queixo caído saiu do conjunto regional de Garoto, da Rádio Mayrink Veiga, para ser substituído por Altamiro. Francisco Alves, Orlando Silva e Vicente Celestino eram acompanhados por sua flauta. Na década de 1960, Altamiro saiu para shows pela Europa beneficiado por movimentos de redescoberta do choro. Aos 87 anos, Altamiro contabilizava mais de 100 discos gravados, cerca de 200 músicas compostas e o título de um dos maiores e mais talentosos embaixadores com o qual a música brasileira contou.

terça-feira, 14 de agosto de 2012

Ficha do CEC


Área do terreno: 170.350 m²
Área dos módulos de exposição: 1.530 m²
Área total dos módulos: 27.540 m²
Área do térreo: 50.126 m²
Área da praça de convivência: 5.928 m²
Área do subsolo: 61.100 m²
Quantidade de vagas: 3.200
Salas de exposição 1° mezanino: 5.200 m²
Salas de exposição 2° mezanino: 6.060 m²
Área total construída: 152.694 m²
Investimento total: R$ 580.640.558,81

Recursos:
Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES): R$ 150.000.000,00
Ministério do Turismo (MTur): R$ 63.002.824,10
Tesouro Estadual: R$ 367.637.734,71

O Centro de Eventos do Ceará


(Assessoria de Imprensa da Setur-CE) - O principal equipamento para desenvolver a indústria do turismo no Ceará, o Centro de Eventos do Ceará (CEC) vai ser inaugurado com uma vasta programação, nos dias 15 e 18 de agosto.
O primeiro momento, com foco especial nos organizadores, promotores e realizadores de eventos, assim como operadores e jornalistas turísticos e autoridades do setor, acontece amanhã (15), às 21 horas,  um concerto do melhor tenor do mundo na atualidade, o espanhol Plácido Domingo, acompanhado de sua orquestra. No sábado (18), vai acontecer, de fato,  a inauguração oficial  do equipamento com a realização do "Giro Cultural", com apresentações abertas ao público, a partir das 17h.
Estão confirmadas apresentações do Ballet Edisca; das cantoras Daniela Mercury, Roberta Sá e Jesuton; da banda de rock Os Paralamas do Sucesso, e das de forró Solteirões do Forró, Garota Safada, Forró dos Plays e Forró Real; e dorapper MV Bill.
As bandas locais O Verbo, Reite, In Beats e Soul Pop também vão subir ao palco. E as atrações não são apenas musicais: quem for conferir, pode aproveitar ainda pista de Skate Vertical, Basquete e o Pavilhão de Humor, com os melhores artistas do gênero no Estado.
O equipamento

O Governo do Estado, em 2007, traçou como política de desenvolvimento do Ceará o turismo; e a partir de então, por meio da Secretaria do Turismo do Estado (Setur), priorizou a construção de um equipamento que fosse além de um diferencial competitivo no setor, mas também um ícone do turismo de eventos no Brasil.
Desta ideia nasceu o CEC, o equipamento mais moderno do gênero na América Latina, cujas obras começaram no primeiro semestre de 2009 e demandaram investimentos de cerca de R$ 580 milhões, incluindo também equipamentos complementares, acessos (túneis) e desapropriações.
Trata-se de um complexo com 76 mil metros quadrados de área total, sendo 36 salas integráveis e dois grandes salões com 13,6 mil metros quadrados cada um, livre de colunas. Todos os espaços possuem climatização e iluminação inteligentes; isolamento acústico; instalações elétricas e sistemas de sonorização ambiente, de comunicação, e de telefonia.
Uma das principais marcas do CEC é a versatilidade, permitindo diversos usos e abrigando ao mesmo tempo eventos de diferentes tipos, portes e vocações, adaptáveis às necessidades dos organizadores. São dois grandes blocos, compostos por salão de exposição dois mezaninos, com dezoito salas cada, totalizando 44 espaços diferentes, se utilizadas as menores divisões.
Cada pavilhão pode ser divido, um em três espaços, o outro em cinco, por meio de divisórias de14 metros de altura e dobráveis, de modo a ficarem completamente recolhidas em um nicho na parede. Além disso, possuem isolamento acústico.
Com entradas específicas para cada espaço, é possível ter eventos de fluxo, vocação e densidade volumétrica distintas, sem que um interfira no outro. Na entrada de cada salão há um conjunto de sete recepções e/ou secretarias que podem trabalhar em conjunto, dependendo do tamanho do evento.
Nos primeiros mezaninos, são oito salas de 321 m² cada, que podem ser utilizadas sozinhas ou em conjunto, pois possuem o mesmo sistema de divisórias dos salões. Nos segundos são dez espaços totalmente integráveis. Estas 36 salas (18 em cada bloco), estão equipadas com sistemas de comunicação e de tecnologia e podem ter diversos usos, conforme a necessidade do organizador: auditórios, exposições, salas de apoio (de administração, de imprensa, de tradução simultânea, etc.).

Sustentabilidade marca o projeto

Obedecendo aos parâmetros internacionais vigentes de acessibilidade às pessoas com dificuldades de locomoção e de respeito ao meio ambiente, o projeto do CEC visa evitar desperdícios e racionalizar custos.
Todos os ambientes são climatizados e funcionam de forma independente das vizinhas. O sistema de ar condicionado é mantido por uma central de água gelada por tanque de termoacumulação, para diminuir o consumo de energia e prolongar a vida útil do sistema, resultando também em menores custos de manutenção.
A principal área de convivência, a praça de alimentação, é coberta por um grande domo feito em metal e acrílico transparente de alta resistência, permitindo o aproveitamento da luz natural.
Todos os sanitários têm sistema a vácuo para ejetar dejetos, semelhante ao utilizado na aviação civil, para usar o mínimo possível de água. Cada pavilhão tem dois conjuntos com quatro banheiros: um masculino, um feminino, um para deficientes e um família, com fraldário.
Acessibilidade priorizada e localização estratégica

Quanto à acessibilidade, todos os espaços são dotados de rampas com guarda-corpo; oito elevadores; dois conjuntos de escadas rolantes por andar em cada pavilhão; pisos táteis entre outras soluções para que portadores de deficiência possam usar o CEC.
O equipamento também vai ser beneficiado por uma estação de metrô, da Linha Leste, que vai ligar os bairros Centro, Aldeota-Meireles e Varjota até a região da Washington Soares. Visando facilitar o acesso e melhorar o trânsito na microrregião, a Secretaria do Turismo (Setur), também finaliza as obras de quatro túneis, que vão eliminar semáforos.

Impacto do CEC

O primeiro estudo sobre o impacto do Centro de Eventos na economia do Estado, elaborado pelo Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (Ipece), a pedido da Setur.
O trabalho “Impactos Econômicos da Operacionalização do CEC” estima que aproximadamente R$ 318,3 milhões vão ser acrescentados aos valores de salários pagos no Ceará nos doze primeiros meses de funcionamento do equipamento.
Esse é um dos índices que vai fazer com que somente o CEC, de responsabilidade do da Secretaria do Turismo (Setur), exerça impacto de 1% sobre o PIB cearense. O equipamento vai gerar ainda 87,6 mil empregos diretos e indiretos na cadeia produtiva de eventos. Em relação à arrecadação tributária, o CEC vai gerar R$ 186,1 milhões para o Estado.
Segundo o secretário do Turismo, Bismarck Maia, a partir do CEC e da qualificação de espaços e pessoas em implementação desde 2007 - que inclui o Acquario, capacitações profissionais e empresariais, duplicação de estradas, aeroportos nos polos turísticos de Aracati e Jericoacoara, restauração de patrimônio histórico, abastecimento d'água e esgotamento sanitário de praias , entre outras ações - “o Ceará nasce para um novo turismo”.
"Com o Centro do Eventos  vamos fazer com que o Ceará  passe a ter um novo eixo de turismo que é o  turismo de negócios, com grandes legados para a economia", reforça o Secretário.
Ficha técnica do CEC
Área do terreno: 170.350 m²
Área dos módulos de exposição: 1.530 m²

segunda-feira, 13 de agosto de 2012

Lei das Cotas


Estadao.com.br

Metade das vagas terão de ser reservadas a estudantes que cursaram o esino médio em escola pública - Felipe Rau/AE
Felipe Rau/AE
Metade das vagas terão de ser reservadas a estudantes que cursaram o esino médio em escola pública
A Lei das Cotas, aprovada na terça-feira, dia 7, pelo Senado, exige que 50% das vagas de todos os cursos das federais sejam reservadas a estudantes que cursaram o ensino médio em escola pública. A principal crítica de reitores à decisão do Senado, no entanto, é que, aprovado o projeto, sancionado pela presidente Dilma Rousseff em até 15 dias, haja quebra da autonomia universitária.
As universidades federais terão até quatro anos para se adaptar às novas regras, mas apenas um ano para adotar ao menos 25% do que a lei prevê - ou seja, terão de implementar o modelo único de cotas em uma escala menor. De acordo com levantamento do G1, atualmente, não existe cota social em 27 das 59 universidades federais
A notícia não foi bem recebida, por exemplo, na Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), conforme apurou o 'Estado' em matéria publicada na semana passada, que tem um dos cursos de Medicina mais bem avaliados e disputados do País. Segundo o reitor, Walter Albertoni, o assunto deveria ficar para a universidade.
O reitor da Universidade Federal Fluminense (UFF), Roberto Salles, também criticou a aprovação pelo Senado da reserva de metade das vagas das instituições federais para alunos da escola pública. Ele classificou a decisão como uma "intromissão indevida".
A Universidade Federal da Bahia (UFBA) precisará de poucos ajustes para adequar seu processo de seleção de alunos ao projeto de lei que prevê a reserva de 50% das vagas para estudantes egressos do ensino médio na rede pública.
Em vigor desde 2004, o sistema de cotas da UFBA reserva 43% das vagas a estudantes que tenham cursado todo o ensino médio - além de pelo menos um ano do ensino fundamental - em escolas públicas. Além disso, oferece 2% das vagas a descendentes de índios. Dentro dos 43% destinados a estudantes da rede pública, 85% das vagas são direcionadas a quem se intitula negro ou pardo, seguindo as proporções da população baiana.
Reitor da Federal do Pará (UFPA), ele ressalta que a uniformidade não é uma boa saída. "Aqui no Pará definimos cota de 50% para escola pública. Mas fomos nós que decidimos e tenho certeza de que essa fórmula não pode ser aplicada em todas.
A Universidade Federal do Amazonas (Ufam), de acordo com levantamento do G1, é uma das universidades que não oferece sistema de ação afirmativa, e deverá se adequar à nova lei. As vagas oferecidas pela Ufam são divididas igualmente em dois processos seletivos.
A Universidade Federal do Ceará (UFC) pretende se adaptar de forma progressiva à lei. O pró-reitor de graduação da UFC, Custódio Almeida, defende que um terço da cota seja aplicada a cada ano, a partir de 2013. Em 2016, segundo a sugestão de Almeida, a UFC estaria cumprindo a lei, que exige que as universidades estejam adaptadas até este ano.
A UFC aprovou em 2012 5.784 candidatos em 2012, todos por meio do Sistema de Seleção Unificada (Sisu). A universidade nunca adotou sistemas de cota para ingressar na faculdade, mas debateu o assunto em 2006. "Na época houve votação, mas o conselho não aceitou as cotas raciais, em função de não ter havido muita discussão sobre o assunto", diz Almeida.
A Universidade de Brasília (UnB) informou nesta quarta-feira (8) que uma comissão formada por alunos e professores será criada para discutir a adaptação do sistema de cotas da instituição ao projeto de lei aprovado pelo Senado. A UnB foi a primeira universidade federal a instituir o sistema de cotas raciais e destina, desde junho de 2004, 20% das vagas para candidatos negros.
De acordo com o decano de ensino e graduação da UnB, José Américo Garcia, a adaptação no sistema pode ser feita rapidamente após o fim da greve. "É um processo rápido. Basta apenas a gente deliberar no nosso conselho. Deliberando, eu já consigo implementá-lo e já para 2013, para o próximo vestibular."
Atualmente, a Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes) e o Instituto Federal do estado (Ifes) trabalham com o sistema de cotas sociais. Na universidade, entre 40% a 45% das vagas de cada curso são reservadas para o candidato que comprovar que cursou apenas a escola pública e ter renda familiar inferior a sete salários mínimos. Já no instituto, 50% das vagas foram distribuídas para estudantes da rede pública.
De acordo com o reitor da Ufes, Reinaldo Centoducate, desde 2008, mais de 5 mil alunos já ingressaram na universidade pelo sistema de cotas sociais. "A Ufes até então empregava exclusivamente a cota social, mas depois que a lei for regulamentada precisaremos estudar como será feito aqui. Acredito que as escolas públicas devem se adequar e oferecer um ensino de excelente qualidade na sua base", disse.
A aprovação do projeto de lei preocupa o reitor da Universidade Federal de Goiás (UFG), Edward Madureira Brasil, para quem a medida interfere na autonomia universitária. "A minha posição enquanto gestor da UFG e vice-presidente da Andifes [Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior] é de que esse modelo traz um componente preocupante sobre a autonomia universitária", ressalta.
Atualmente, a UFG oferece nos processos seletivos seis mil vagas por ano. A grande maioria dessas vagas é ofertada no vestibular do início de ano. As demais, cerca de 500, são oferecidas no processo seletivo de meio de ano. Ao todo, 80% das seis mil vagas são do vestibular tradicional e 20% do Sistema de Seleção Unificada (Sisu). "No vestibular tradicional, usamos as notas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) como um dos componentes na nota final", disse o reitor.
A Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) reserva 50% das vagas ofertadas em todos os cursos de graduação para cotistas: são 30% das vagas para estudantes que cursavam todo o ensino básico em escolas públicas e 20% para estudantes negros também de escolas públicas. As eventuais vagas remanescentes das cotas para estudantes negros são oferecidas primeiramente para candidatos de escola pública e, caso ainda sobrem, para a ampla concorrência. Em abril deste ano, a UFMT estudava implantar, em 2013, a reserva de 100 vagas por ano para indígenas que tenham estudado em escola pública.
A Universidade Federal de São João del Rei (UFSJ) e a Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) já reservam 50% das vagas a estudantes de escolas públicas, como prevê o projeto de lei aprovado nesta semana pelo Senado. No caso da UFSJ, dos três critérios propostos na lei - rede de ensino, renda familiar, cor e raça -, a instituição já utiliza dois: rede de ensino e cor e raça.
A Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) oferece sistema de bônus há quatro anos para estudantes de escolas públicas. De acordo com a assessoria de imprensa da instituição, assim que a lei for sancionada, a UFMG vai começar a trabalhar para se adequar. O edital do vestibular 2013 já foi publicado. O sistema de bônus será oferecido, mas não haverá adoção do Sisu. Na Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM), na seleção seriada, 60% das vagas são para alunos de escolas públicas. Já no Enem e no Sisu, 40% são para estudantes de instituições públicas.
Duas instituições mineiras não usam sistema de cotas: o Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (Cefet-MG) e a Universidade Federal de Viçosa (UFV).
Na Paraíba, as instituições federais adotam o sistema de cotas desde o processo seletivo de 2011. Na Universidade Federal da Paraíba (UFPB), 30% das vagas foram destinadas para candidatos vindos do ensino público. De acordo com o presidente da Comissão Permanente do Concurso do Vestibular da UFPB (Coperve), João Lins, o percentual deve ser aumentado para 35% para o próximo ano e 40% para 2014.
No Instituto Federal da Paraíba (IFPB), foram ofertadas entre 20 e 50% das vagas dos cursos técnicos para candidatos vindos da rede pública, além 5% em todas as unidades para portadores de deficiência física. As cotas do IFPB também atingem o Sisu, com 5% para portadores de deficiência, 60% para quem mora no estado e 20% para os candidatos nascidos em Pernambuco, Rio Grande do Norte e Ceará.
A Universidade Federal da Paraíba (UFCG) é a única instituição federal na Paraíba que não utiliza o sistema de cotas. De acordo com sua assessoria, todo o processo seletivo é feito através do Enem. Com a iminente aprovação da cota em 50%, o colegiado na universidade irá se reunir em 2013 para discutir o sistema de cotas na UFCG.
No estado, a Universidade do Vale do São Francisco (Univasf), em Petrolina, já adota essa porcentagem de cotas desde 2010. Enquanto isso, as universidades Federal de Pernambuco (UFPE) e Federal Rural de Pernambuco (UFRPE) preferem aguardar a sanção da presidente antes de iniciarem o sistema de cotas sociais.
Em seu último vestibular, a UFPE ofereceu 6.492 vagas, das quais 34% foram conquistadas por alunos de instituições públicas. Segundo a assessoria, a seleção da UFPE apresenta um sistema onde alunos da rede pública de ensino recebem acréscimo de 10% em suas notas, mas isso só interfere na quantidade de vagas ocupadas quando as notas dos alunos já estão próximas à média de aprovação de seus cursos.
A UFRPE também dá bônus de 10% na nota de alguns estudantes, desde que eles tenham feito o ensino médio no Agreste ou no Sertão pernambucano, e que escolham estudar na própria região. No vestibular 2012, a instituição ofereceu 3.240 vagas, divididas em 1.960 no Recife, 560 em Garanhuns e 720 em Serra Talhada. Atualmente, todas as vagas da Rural são preenchidas através do Sisu.
O vestibular 2013 da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) não obedecerá a lei de cotas sociais aprovada pelo Senado. A decisão da presidenta da Comissão Permanente de Vestibular (Comperve), Magda Pinheiro, só poderá ser revertida se a instituição for acionada judicialmente. Ela explicou que o edital do concurso já havia sido lançado quando o texto-base da lei de cotas sociais foi aprovado pelos senadores e, além disso, irá aguardar o posicionamento de Dilma Rousseff quanto à sanção parcial ou integral do projeto de lei ou, ainda, a possibilidade de veto total ao conteúdo original apreciado pelo Senado.
A presidenta da Comperve explicou que, desde 2006, a UFRN seleciona estudantes utilizando o argumento de inclusão, que consiste numa bonificação de 10% no argumento final do candidato oriundo de escola pública.
Apesar da aprovação da lei no Senado na última terça-feira, as universidades do Rio Grande do Sul ainda não traçaram o plano para se enquadrar na nova regra. O assunto deve começar a ser tratado somente depois da sanção presidencial. No último vestibular, a Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) reservou 30% das vagas para estudantes vindos do ensino público e autodeclarados negros. Também são disponibilizadas 10 vagas anuais para indígenas, que participam de um vestibular diferenciado.
A Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) separa cotas de 15% para autodeclarados negros, 5% para portadores de necessidades especiais e 20% para alunos da rede pública. Também há 10 vagas para indígenas. A direção da Universidade Federal de Pelotas (UFPel) afirmou que ainda não faz reserva de vagas, e que o Conselho Superior se reunirá na próxima segunda-feira (13) para discutir as mudanças com a nova lei.
A Universidade Federal de Rio Grande (Furg) não reserva vagas, mas, através do Programa de Ação Inclusiva (Proai), dá pontos extras na nota final de estudantes que cursaram o ensino público ou que são portadores de deficiência.
As duas instituições federais de ensino no estado de Rondônia, a Universidade Federal (Unir) e o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Rondônia (Ifro), também terão que se adaptar à nova regra. Atualmente, a Unir não admite nenhum aluno através do sistema de cotas, enquanto que o Ifro tem 70% de suas vagas destinadas a alunos de condições diversas, mas não por cotas.
Em 2012, a Unir selecionou 2.400 estudantes pelo Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), sem que nenhuma vaga seja destinada para cotas. "A questão de receber o sistema de cotas chegou a ser discutida há dois anos, mas não chegou a ser implantado", afirmou o pró-reitor de graduação, Jorge Coimbra de Oliveira. No primeiro semestre de 2012 o Ifro disponibilizou 1.720 mil vagas pelo vestibular tradicional, entre os cursos técnicos de nível médio e de graduação. Pelo Sisu foram oferecidas 16 vagas neste ano. O Ifro destinou 10% das vagas para candidatos que fizeram o fundamental na Educação de Jovens e Adultos (EJA), outros 10% para candidatas participantes do Programa Mulheres Mil em Jequitibá e 50% para produtores rurais, agricultores familiares e lavradores.
Santa Catarina possui duas instituições federais de ensino afetadas pelo projeto de lei aprovado pelo Senado. Na UFSC, 20% das 3.239 vagas no vestibular 2012 foram destinadas a candidatos que cursaram integralmente o ensino fundamental e médio em escolas públicas e 10% a candidatos que se autodeclararam negros ou pardos e também tenham cursado os ensinos fundamental e médio em colégios públicos.
Já no IFSC, metade das 544 vagas foram destinadas a candidatos que estudaram todo o ensino médio em escola pública, e 10% a negros que cursaram todo o ensino médio em escola pública. Caso essas vagas não fossem preenchidas pelos candidatos a quem eram destinadas, elas seriam ocupadas por aqueles que não optaram pelas ações afirmativas. De acordo com o coordenador do Departamento de Ingresso do IFSC, André Soares Alves, afirma que o IFSC vai aguardar a sanção presidencial para ver como vai ficar a distribuição das cotas.
O Instituto Federal de Sergipe (IFS), atualmente, já trabalha com o sistema de cotas sociais. No último processo seletivo tradicional e dos cursos de graduação e técnicos ofertados pela instituição, 200 vagas foram ofertadas. No Sisu, o instituto ofereceu 145 vagas para cursos de graduação presenciais. Destas, 5% foram para pessoas com baixa renda e 5% para pessoas que cursaram a escola pública durante o ensino médio.
O pró-reitor de ensino da instituição, José Adelmo Menezes de Oliveira, afirma que o IFS ainda fará uma reunião para decidir como se adaptará à nova lei.