sexta-feira, 28 de abril de 2017

Greve geral no Ceará

Hoje, trabalhadores e trabalhadoras pararam contra a “reforma” trabalhista e da previdência em todo o Ceará. Só em Fortaleza foram mais de 100 mil pessoas, segundo os organizadores da greve geral, que lotaram a Praça da Bandeira e saíram em caminhada até a Praça do Ferreira. No interior do estado, ocorreram mobilizações e atos de rua em mais de 130 municípios que somados totalizaram 400 mil pessoas nas ruas, conforme cálculos dos organizadores.
Um dia histórico, que contou ainda com trabalhadores servidores públicos, trabalhadores urbanos e rurais que organizaram uma intensa agenda de lutas em mais de 130 municípios do Ceará, segundo a Federação dos Trabalhadores Rurais, Agricultores e Agricultoras Familiares (Fetraece) e Federação dos Trabalhadores no Serviço Público Municipal do Estado do Ceará (Fetamce).
Com adesão dos sindicatos de diversas ramos econômicos, as paralisações dos locais de trabalho mudaram a fisionomia de diversas cidades do nosso estado. Os Portos do Pecém e Mucuripe interromperam suas atividades logo cedo nesta sexta, assim como o Aeroporto Internacional Pinto Martins. Segundo o Sindicato Apeoc, a adesão dos trabalhadores/as em educação do Estado foi superior a 90%. O sindicato informou que a greve foi massiva tanto na Capital, como no interior do Estado. O Sindiute informou que 526 escolas na capital fecharam hoje e que a greve contou com uma adesão de 11 mil professores.
Os comerciários/as pararam de forma integral, sendo 30 mil deles os que atuam apenas no Centro de Fortaleza. Ao todo, 150 mil trabalhadores e trabalhadoras interromperam suas atividades durante a Greve Geral. No transporte público de Fortaleza foram feitas paralisações nas garagens das empresas, além da adesão dos trabalhadores em diversos pontos da nossa cidade com fechamento de alguns dos principais cruzamentos da Capital.
Cerca de dois mil bancários do Ceará aderiram à Greve Geral, dos cerca de 10 mil do Estado. Houve paralisação de pelo menos 110 unidades bancárias, das 562 unidades em todo o Ceará. Já os metalúrgicos mobilizaram 6 mil trabalhadores na greve.
Pararam ainda o Transporte Alternativo, Construção Civil, Servidores Municipais de Fortaleza, Sinderúrgica, Bancários, Taxistas, Mototaxistas, Jornalistas, Tribunal do Trabalho, SINDUECE, SINPRECE, SINDSAÚDE, SINTSSÉTIMO, MSTS, MST, MTST, MLB, Eletricitários COELCE (ENEL), CHESF, dentre outras categorias, nas regiões: Metropolitana, Cariri, Jaguaribe, Sertão Central, Itapipoca, Iguatu, Sobral e Crateús.
O movimento ocorre 100 anos depois da primeira greve geral do País, ocorrida em julho de 1917 e capitaneada por organizações operárias de inspiração anarquista. Em 1996, uma greve geral contra as privatizações propostas pelo então presidente Fernando Henrique Cardoso mobilizou cerca de 12 milhões de pessoas em todo o país.
Também integraram as mobilizações, atos públicos e protestos populares que agitaram todas as regiões do estado, as Frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo que articulam dezenas de movimentos sociais e populares do campo e da cidade.

Nenhum comentário:

Seguidores

Arquivo do blog