Escola de Cinema do Sertão

A Escola de Cinema do Sertão - projeto desenvolvido pelo Instituto Assum Preto de Arte, Cultura, Cidadania e Meio Ambiente de Senador Pompeu - está com inscrições abertas para o curso de edição de vídeos até o próximo domingo (30). No total, são 30 vagas, sendo 20 destinadas a ex-alunos do projeto e 10 para novatos. Para participar do curso, os candidatos devem ter conhecimento teórico sobre montagem ou edição de vídeos, e prática e familiaridade no uso do computador, mesmo que em atividades diversas. O curso é gratuito e as inscrições podem ser realizadas presencialmente na Fundação Cultural Quixadá, localizada à Praça Gladson Martins, Chalé da Pedra, das 8 às 12 horas.
Após as inscrições, ocorre o processo de seleção, com divulgação dos selecionados em quatro de novembro, durante a Avant Première dos curtas-metragens da última turma do projeto Escola de Cinema do Sertão. As aulas acontecem a partir de sete de novembro, no Instituto Federal do Ceará (IFCE), campus Quixadá.
O curso, com duração de 120horas/aula, será ministrado pelo professor Rui Ferreira, carioca que atua no cenário audiovisual cearense há 25 anos e que traz como experiência de ensino na Universidade de Fortaleza (Unifor), no Instituto Dragão do Mar e na Escola Porto Iracema das Artes, dentre outras organizações e empresas.
O objetivo da Escola de Cinema do Sertão é a formação de editores com experiência na estrutura de peças audiovisuais nos mais variados formatos – sejam essas institucionais ou comerciais, nos gêneros documental, ficcional ou experimental. O curso proporciona, então, acesso ao conhecimento das principais técnicas de edição de conteúdo, com destaque para a compilação, preparação e avaliação do material a ser editado e a criação da estrutura de edição a ser implementada. Além disso, revela a história da edição e dá noções básicas de finalização, que consiste na correção das cores e na correção e equalização do som.
As aulas práticas são desenvolvidas na primeira parte do curso, através de revisões e reedicões de vídeos produzidos pela Escola de Cinema do Sertão, resultado da realização de três cursos profissionalizantes em cinema e audiovisual desenvolvidos e ministrados nos últimos três anos. Complementando as aulas práticas, a parte final do curso consiste na edição de quatro vídeos institucionais sobre o tema “Escola de Cinema e o Audiovisual no Sertão Central”. Com material de bastidores, fotos e vídeos de celular, além de depoimentos de alunos, a proposta é produzir e editar vídeos no formato institucional documental com quatro estilos diferentes de montagem ou quatro enfoques diversos sobre o mesmo tema, com o mesmo material.
“Essa é a concretização de um antigo desejo de todos nós que fazemos a Escola de Cinema do Sertão: garantir a realização de um dos cursos de maior demanda em todo o interior do Ceará”, comemora o produtor cultural Adriano Souza, fundador do Instituto Assum Preto de Arte, Cultura, Cidadania e Meio Ambiente de Senador Pompeu. “Para os nossos jovens, essa é a oportunidade de ir além da formação técnica e adquirir competência profissional, seja para atuar no mercado de trabalho ou para desenvolver projetos autorais. Essa é a missão da escola de cinema”, conclui. Para realização do curso, o instituto conta com o patrocínio da Enel, empresa controladora da Coelce.
Sobre a Escola de Cinema do Sertão – Realizado pelo Instituto Assum Preto de Arte, Cultura, Cidadania e Meio Ambiente de Senador Pompeu, o projeto Escola de Cinema do Sertão atua com formação técnica e produção audiovisual desde 2012, especialmente em Quixadá. O projeto já possibilitou formação a mais de 300 jovens no Sertão Central do Ceará, e produziu 17 curtas-metragens em animação, documentário e ficção, com temáticas diversas, dentre estes, patrimônio, cultura, meio ambiente, utilização consciente dos recursos naturais (água), comunidade quilombolas etc.
Além dos benefícios artísticos e sociais, outra questão que justifica a profissionalização na área cinematográfica no sertão central, é o fato da região ser de fato um potencial para produções cinematográficas que, geralmente, trazem profissionais de Fortaleza ou de outras capitais brasileiras. Com a implementação do projeto Escola de Cinema do Sertão, a região passa a dispor de profissionais qualificados nesta linguagem artística, contribuindo para mudar essa realidade da realização audiovisual cearense.
Sobre o professor Rui Ferreira - Carioca radicado no Ceará há 28 anos, há 25 atua no audiovisual cearense. Produtor e diretor de curta-metragem e curta de animação, nos últimos 15 anos fixa-se como montador e editor de peças audiovisuais de conteúdo cultural; ficção, documentário e clipe musical, com mais de 200 peças montadas nos mais diversos formatos. Trabalhou por vários anos apoiando projetos de produção, difusão e formação de núcleos de audiovisual no interior.
Em Fortaleza, atuou em cursos de audiovisual no terceiro setor e em outras instituições como: Incra, TV Ceará, Unifor, Instituto Dragão Do Mar, Sebrae, Escola Porto Iracema das Artes, tendo participado da formação de diversos profissionais que hoje atuam no mercado do audiovisual nacional.
Atualmente trabalha desenvolvendo documentários para o departamento de projetos especiais da TV O Povo, com a produtora Usina de Entretenimentos, e como freelancer na montagem de filmes independentes. Seus últimos trabalhos são três longa-metragens: “A Lenda do Gato Preto”, do diretor Clébio Viriato Ribeiro; “Rita de Redenção – A Santa das Causas Impossíveis”, de Cássio Araújo; e “A Rainha e seus Reis de Barro”, de Marivalda Kariri.
SERVIÇO
ESCOLA DE CINEMA DO SERTÃO
Curso de Edição – Inscrições abertas
Data: Até 30/10 (domingo)
Local: Fundação Cultural de Quixadá (Praça Gladson Martins, Chalé da Pedra).
Horário: Das 8 às 12 horas.
Informações:
Adriano Souza (88) 9.99326025
Iris Freitas (88) 9.99508954
Antônio Castelo (88) 9.9655.4951

Comentários