'A Jangada que o Vento Esqueceu'

Depois de várias apresentações com casa cheia e apreciada por dezenas de fãs da música cearense, a dupla Edinho Vilas Boas e Angelo Santedicola promete trazer para o encerramento da temporada e gravação do CD do espetáculo, uma apresentação para saudar, celebrar e unir nomes consagrados da geração "Pessoal do Ceará", amanhã (dois), no palco principal do Theatro José de Alencar, às 19 horas. Como convidados especiais, estarão Nonato Luiz, considerado o maior violonista da história do estado, Rodger Rogério, compositor cearense, músico e ator, e Cristiano Pinho, guitarrista e produtor musical.

Com o título do show tirado de um trecho da música de Fausto Nilo, os jovens compositores e intérpretes homenagearão os autores cearenses que fizeram parte de suas formações musicais com melodias e poesias que transmitem sentimento e leveza. A dupla de músicos, amantes da cultura musical do Ceará, se revezará entre piano, voz e violão, para reviver canções compostas por nomes como Belchior, Fagner, Rodger Rogério, Fausto Nilo, Petrúcio Maia, Ednardo, Ricardo Bezerra, Evaldo Gouveia, Calé Alencar e Patativa do Assaré, que muitas vezes foram esquecidas pela grande mídia.
Além do inexplorado repertório selecionado, um dos grandes momentos do show será a interpretação de sambas de compositores cearenses como Carlinhos Palhano, Humberto Teixeira e Lauro Maia, em alusão ao Dia Nacional do Samba, que cai no mesmo dia do espetáculo. "Queremos mostrar que no Ceará há samba de qualidade, também, e que temos compositores que fazem o samba de raiz com autenticidade e naturalidade", ressalta Edinho.
Os dois músicos não se alinharam somente no estilo e nos instrumentos, mas no desejo de um show onde os verdadeiros apaixonados pela música da terra da luz possam cultuar a grandeza e singularidades das composições de seus mestres. "A música cearense, como um todo, é marcada por poesia e melodia singulares. É algo que envolve, que toca de verdade o coração da gente", afirma Angelo.
Previsto pra ser lançado ano que vem, no primeiro semestre, o CD da dupla será gravado, mas a intenção dos músicos é de rodar o show por outras cidades do Brasil. "Vamos apresentar a outros públicos esta ligação entre o velho e o novo fazer musical, com a missão de levar às novas gerações o que muitas vezes ficou esquecido", explica Edinho.
No repertório também algumas músicas próprias e as parcerias novíssimas com o compositor gaúcho Raul Maxwell, outro admirador dos compositores cearenses, com as quais já foram finalistas no Festival Nacional da Canção (FENAC), em Boa Esperança (MG), e no Festival da Meruoca (CE).
Sobre Angelo e Edinho
Aos 21 anos, Angelo Santedicola é baiano, mas veio para o Ceará ainda adolescente, justamente pela paixão pela música local. "Eu comecei ouvindo músicas de Chico Buarque, Caetano. Descobri a obra de Fagner, Belchior e Ednardo e fui me interessando, me apaixonando, procurando mais e mais", conta. Ao conhecer Edinho em um evento religioso, firmaram sintonia com uma nova amizade, com os instrumentos e suas distintas vozes, formalizando o dueto. Santedicola já tem um CD recém-lançado na bagagem, Algo de um cais, onde apresenta suas composições, além de interpretar outros artistas cearenses. Edinho, aos 38 anos, já tem duas décadas de experiência na música. Além do trabalho concorrido como cantor na noite da capital cearense, também tem obra autoral apreciada em três CDs solo – Hoje à noite, Vida voz e violão (gravado ao vivo no Teatro Sesc Iracema) e Retumbante.
Sobre Edinho Vilas Boas
Cantor e compositor, natural de Fortaleza, formado em música pelo Instituto Federal do Ceará e começou a cantar profissionalmente em 1996. Edinho foi premiado diversas vezes em festivais, a exemplo do Canta Ceará, em 2010, do festival Certame da Canção, em Tatuí-SP, 2012, o Festival de Inverno da Serra da Meruoca, em 2013 e o festival Bem Junino, em 2016. Participou do DVD Luar de Sol de Jorge Vercillo nas músicas Regressão e Quando eu Crescer. Em 2015 lançou o CD Retumbante, o terceiro de sua carreira. O primeiro, Hoje à Noite, contou com a participação de Dominguinhos e o segundo, Vida Voz e Violão, foi gravado ao vivo no Teatro Sesc de Fortaleza. Atualmente dedica-se a vários outros projetos, com destaque para o lançamento do CD e do DVD Forró Brasileiro, com participações de Chambinho do Acordeon, Flávio Leandro, Cristina Amaral, Waldonys, Adelson Viana, Marcos Lessa e Irah Caldeira.
Sobre Angelo Santedicola
Cantor e compositor, nasceu na cidade de Jaguaquara-BA, foi criado em São Paulo e atualmente mora em Fortaleza. A sua primeira apresentação profissional ocorreu durante o Festival Nacional da Canção de 2013, onde foi finalista com a canção Te Procuro, feita em parceria com o cearense Edinho Vilas Boas e o gaúcho Raul Maxwell. Depois disso, foi finalista em mais alguns festivais, no Ceará e em Goiás. Gravou seu primeiro disco entre São Paulo e Fortaleza, de 2014 a 2015, contando com a produção de Thiago Marques Luiz e Cristiano Pinho, que participou dos arranjos e da direção musical, ao lado de Rovilson Pascoal. A cantora Célia fez uma participação especial na música Simulacro, composta por Angelo e pela gaúcha Magmah. Nathan Sousa, escritor piauiense e finalista do Jabuti 2015, também é parceiro em algumas canções do disco, inclusive na faixa título Algo de um Cais. Angelo Santedicola teve sua formação musical influenciada por grandes nomes da música popular brasileira, em especial da música cearense, quando, aos 14 anos, começou a colecionar LPs e CDs de nomes como Fagner, Ednardo e Belchior.

Serviço
Espetáculo "A Jangada que o vento esqueceu"
Quando: 2 de dezembro
Onde: Theatro José de Alencar
Horário: 19 horas
Preços: R$ 40,00 (inteira) e R$ 20,00 (meia)

Comentários