Banco de Leite

Solidariedade. Essa é a melhor palavra que define a atitude de muitas mães que se disponibilizam a doar leite materno. Seja nas férias escolares, quando os outros filhos passam a maior parte do dia em casa, durante as festas de fim de ano ou feriados prolongados, seja inclusive no Carnaval, elas estão sempre a postos para ajudar na alimentação e na recuperação dos bebês internados na Unidade de Terapia Intensiva Neonatal. É contando com essa atenção especial, que o banco de leite humano do Hospital Geral César Cals, da rede pública do Governo do Estado, convida as mães que estão amamentando para fazer a doação. O banco já está no momento de reforçar o estoque para o período carnavalesco e conta com o apoio das mães doadoras.
O processo é simples e não é demorado. Por meio de uma só ligação para o número gratuito 0800 286 5678, a mãe que pretende doar leite ou aquela que já doa pode tirar as dúvidas sobre aleitamento materno, maneira certa de amamentar; processo de ordenha em casa e maneira correta de guardar o leite, entre outras, além de obter informações sobre a doação e agendar o dia para que a coleta do leite em casa. A doadora nem precisa se preocupar com a entrega. Em qualquer dia da semana, feriados e finais de semana, e a qualquer hora o atendimento pode ser feito por telefone ou no próprio banco de leite, que fica na Avenida Imperador, 545, Centro de Fortaleza.
Quem explica bem o processo de doação é a enfermeira Gilvania Ribeiro. “Toda mãe que amamenta é capaz de doar. Ela tira o excesso do leite e guarda no congelador, num vidro limpo e esterilizado, com tampa plástica, identificado com o nome completo da mãe e com a data da primeira coleta. O leite guardado pode ficar no congelador entre sete e 10 dias”. Depois disso é só ligar que o hospital vai buscar. O Hospital César Cals também fornece os vidros esterilizados para dar continuidade à doação. Gilvânia explica que com o leite materno, o tempo de internação pode ser diminuído pela metade e ainda aumenta a imunidade, o que favorece uma ida mais cedo para casa.
É dessa maneira que a contadora, Francisca das Chagas Bezerra, moradora do bairro Passaré, em Fortaleza, faz para doar. Ela chega a acordar no meio da noite para fazer a ordenha, por causa do excesso de leite. Desde quando foi mãe pela primeira vez, há oito anos, ela passou a doar. “Quando eu tive a minha primeira filha, eu doei leite e agora passei a doar de novo”, fala. A filha dela, Sarah, que nasceu em uma maternidade particular da capital vai completar um mês no próximo dia 27 de janeiro e nesse período Francisca doa constantemente. Para ela, a doação é de extrema importância, porque muitas mães não conseguem ter leite suficiente para alimentar os filhos. “É com maior amor que a gente está ajudando outras vidas”, destaca a doadora.
O Hospital César Cals possui um Centro de Neonatologia com 20 leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTIN) e 36 leitos de Unidade de Cuidados Intermediários Convencionais (UCINCo), antigo médio risco. Diariamente, o hospital busca atender toda a demanda de leite que os pediatras prescrevem para os recém-nascidos internados. Por isso, qualquer quantidade de leite faz a diferença. Como diz a doadora Francisca das Chagas, “doar leite é doar vida”.

Comentários