Dia de Quilombo

Nesta quarta-feira, 1º de fevereiro, uma banca popular constituída por mestres da cultura vai examinar a pesquisa acadêmica de mestrado “Dia de Quilombo: Cinema e Cultura Popular no Juazeiro do Padre Cícero”, indicada ao prêmio Capes/CNPQ. Aberta ao público, a defesa acontece no teatro do Centro Cultural do Banco do Nordeste (CCBNB-Cariri), às 17h30.
Segundo o autor da pesquisa, jornalista Felipe Caixeta, os mestres vão examinar as hipóteses, teses e conclusões sobre como a noção de quilombo vem se deslocando no tempo e no território e quais os grandes desafios para a continuidade dessa celebração nos dias atuais. Para isso, eles estarão lado a lado com brincantes do entremeio “cão”, cuja presença na festa vem causando controvérsias.
“Como se sabe, os mascarados com seus longos chicotes predominam nos cortejos de reis e vem sendo responsabilizados por uma suposta desarticulação da tradição natalina, devido a atos de violência atribuídos a eles”, explica o pesquisador.
Os membros da banca popular, que será presidida pelo poeta Pedro Bandeira, também examinarão a narrativa sobre o Quilombo do Ciclo de Reis. Serão apreciados temas como o quilombo em África, Quilombo de Palmares e guerra dos matos, quilombos e santidades indígenas, o projeto sociocultural dos beatos irmanados pelo padre Ibiapina e a política cultural do Padre Cícero, a violência e a festa do cão na cidade sagrada.
“Propomos a reconciliação da cidade com a sua cultura, por meio da ação tática estruturante do registro do quilombo como Patrimônio Cultural do Brasil, com a definição de salvaguardas que abracem os reisados como também as bandas cabaçais, as lapinhas, os caretas, os músicos e todos que estão envolvidos com o grandioso festejo popular, bem como para promover condições desejáveis de vida para a comunidade brincante”, afirma Felipe Caixeta.
Ainda segundo o pesquisador, após a avaliação pela banca popular, o autor encaminhará o texto final para publicação na forma de livro e filme documentário. No dia 3 de fevereiro, a partir das 14h30, a discussão será continuada na Escola de Saberes de Barbalha (CE), quando Felipe exibirá o documentário “O Encontro do Padre Cícero com o Profeta Gentileza” e mobilizará roda de conversa para pensar o quilombo como festejo e patrimônio cultural regional do Cariri.
Felipe Caixeta é jornalista, cineasta e mestre em Cultura em Territorialidades, pela Universidade Federal Fluminense (UFF). Ele iniciou atividades em Juazeiro do Norte, filmando reisados no Ciclo de Reis (Quilombos), em dezembro de 2004. Entre outros, dirigiu os filmes “O Encontro do Padre Cícero com o Profeta Gentileza” (2006), “Dia de Reis no Juazeiro do Padre Cícero” (2009), “Abraço em Juazeiro” (2009) e “Vida Viva” (2012).
Membros da Banca Popular:
Mestre Moisés Ricardo - Mestre de Reisado
Francisco Felipe Marques (Tico) - Mestre do Reisado Coração de Jesus e o mais antigo em atuação em Juazeiro
Carlos Gomide - Fundador do Cia. Carroça de Mamulengos e do movimento União dos Artistas da Terra da Mãe de Deus
Cícero Bacurau - Líder dos entremeios do Reisado dos Irmãos
Pedro Bandeira Pereira de Caldas - Poeta, presidente da Banca Popular

Comentários