Construção Civil no Nordeste

Os nove Estados Nordestinos ficaram entre os 12 mais baratos do Brasil no setor da construção civil, em abril. Sergipe manteve o menor custo do país (R$ 910,36), seguido por Rio Grande do Norte (R$ 924,37) e Bahia (R$ 949,83), enquanto a Paraíba registrou o valor mais caro (R$ 1.021,43).
O Ceará ocupou a sétima posição no ranking de custos totais (R$ 957,26) mais baratos do país e foi o nono Estado em relação aos materiais (R$ 528,73) e o quarto com menor custo de mão de obra (R$ 428,53).
A participação dos componentes nos custos totais da construção civil se dividiu em 51,4% para os materiais e 48,6% em mão de obra, que teve elevação de 0,28% em abril, enquanto o custo dos materiais aumentou apenas 0,04%. Em nível regional, tanto a mão de obra (R$ 445,41) quanto o preço dos materiais (R$ 519,36), no Nordeste, foram os menores do Brasil.
Além dos Estados do Nordeste, Espírito Santo (R$ 951,82) e Minas Gerais (R$ 989,27), Estados onde o BNB também atua, estão inclusos na lista dos 12 mais baratos e ocupam o quinto e o oitavo postos, respectivamente.
No âmbito nacional, houve melhora nos indicadores que medem as expectativas no ramo da construção. Os índices nível de atividades; novos empreendimentos e serviços; compras de insumos e matérias-primas e número de empregados tiveram resultados otimistas para os próximos meses.
Os números compõem análise do Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste (Etene), com dados da pesquisa Sondagem da Indústria da Construção, da Confederação Nacional da Indústria (CNI) e Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil (Sinapi), do IBGE. A pesquisa está disponível no site do Banco do Nordeste no link: www.bnb.gov.br/diario-economico-2017.

Comentários