Prevenção de Quedas

Quem nunca sofreu ou conhece alguém que passou por algum trauma ortopédico? No Dia Mundial de Prevenção de Quedas, comemorado em 24 de junho, o pronto-atendimento em Ortopedia e Traumatologia do Hospital São Camilo Cura d`Ars faz um balanço e alerta: dos 400 pacientes assistidos por mês, 30% são idosos. 
Criada pela Organização Mundial da Saúde (OMS), a data foi incorporada ao Calendário da Saúde do Ministério da Saúde (MS) para alertar idosos, cuidadores e familiares sobre os riscos de queda, um grave problema de saúde. Segundo o MS, cerca de 30% das pessoas idosas caem a cada ano. Dentre as complicações mais graves estão fraturas, principalmente de fêmur, e traumatismo craniano.
Segundo a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), A queda em pessoas idosas é um importante fator de risco para a perda da autonomia do idoso e, por conseguinte, diminuição da qualidade de vida. Na faixa etária de 60 anos ou mais, a queda é a segunda causa de óbito dentre as causas externas.
No Hospital São Camilo Cura d`Ars, Daniel Romero, médico do pronto-atendimento em ortopedia e traumatologia do Hospital, confirma essas estatísticas: 30% dos atendimentos do setor é de idosos, que passam por traumas de baixa energia, a exemplo das quedas da própria altura.
Para Romero, “os idosos devem ter cuidado com obstáculos, tapetes, degraus, falta de apoio para o banho e deslocamentos, como barras e suportes adequados”, completa. Outros cuidados também podem ser tomados, como manter os ambientes bem iluminados; não deixar fios de luz, roupas, sapatos e outros objetos espalhados nos trajetos por onde anda; usar sempre o corrimão ao descer ou subir escadas; guardar objetos ao alcance do idoso; nunca subir em banquinhos ou cadeiras; evitar encerar o piso e usar sempre calçado fechado, com sola de borracha e salto baixo, mesmo em casa. 
Também é possível tomar alguns cuidados na rua, como: prestar atenção em raízes de árvores, buracos e obstáculos nas calçadas; atravessar sempre na faixa de pedestres e respeitar o sinal; usar sempre óculos, aparelhos de audição e bengalas, se precisar; não sair desacompanhado se não se sentir seguro.
Independente do tipo de acidente, o coordenador explica que alguns cuidados devem ser tomados logo após o trauma: “Na suspeita de fraturas, deve-se evitar mobilizar o paciente, mantê-lo calmo e acordado até a chegada do socorro e transferência ao hospital para os devidos cuidados médicos.” Além dos cuidados no momento do trauma, o tratamento após o acidente deve ser adequado à reabilitação, garantindo uma plena recuperação do paciente e a prevenção de novos eventos.

Comentários