Povos indígenas realizam encontro neste domingo

Foto: Ronaldo Queiroz
Os Povos indígenas do Ceará realizam, entre os dias 23 e 26 de julho, na Aldeia Lagoinha dos Potiguara, em Novo Oriente-CE, a XXII Assembleia Estadual dos Povos Indígenas do Ceará. O evento reunirá mais de 200 indígenas representantes dos 14 povos do Ceará dos 19 municípios. Com a realização da Coordenação das Organizações e Povos Indígenas no Ceará – (COPICE) em conjunto com Articulação dos Povos e Organizações Indígenas do Nordeste, Minas Gerais e Espírito Santo (APOINME) e demais organizações indígenas, a atividade traz uma programação variada com debates, palestras, mesas, grupos de trabalho, momentos de espiritualidades e rituais.


Esse ano a Assembleia ocorre em meio a retrocessos da política indigenista e enfraquecimento do principal órgão indigenista.  Será um espaço legítimo para debater conjuntura, mobilização, políticas públicas, direitos e estratégias do movimento indígena. "A Assembleia Estadual dos Povos Indígenas do Ceará ocorrerá num momento de intensos ataques aos direitos dos Povos Indígenas no Brasil. A atividade avaliará a luta dos Povos Indígenas cearenses e planejará ações estratégicas de resistência e de enfrentamento as diversas formas de violações aos direitos dos Povos Indígenas em nosso estado", afirma Weibe Tapeba, linderança indígena e integrante da comissão organizadora.

O estado do Ceará possui uma população de 32.434 indígenas (Dados do SIASI agosto de 2016) o que corresponde a 0,36% (Segundo o IBGE, o estado do Ceará tem uma população estimada em 8.963.663 habitantes) da população do estado.  Os povos indígenas no Ceará são: Anacé, Gavião, Jenipapo-Kanindé, Kalabaça, Kanindé, Kariri, Pitaguary, Potyguara, Tabajara, Tapeba, Tubiba-Tapuia, Tapuya-Kariri, Tremembé e Tupinambá, distribuídos em 19 municípios: Acaraú, Aquiraz, Aratuba, Boa Viagem, Canindé, Caucaia, Crateús, Itapipoca, Itarema, Maracanaú, Monsenhor Tabosa, Novo Oriente, Pacatuba, Poranga, Quiterianópolis, São Benedito, São Gonçalo do Amarante, Tamboril, Crato.

Comentários